Como a União Soviética influenciou o surgimento e a expansão do radicalismo islâmico, ou o dia do mau jornalismo da BBC Brasil

Olá!

Resultado de imagem para rambo 3

A BBC Brasil também tem seu dia de revista Veja. A manchete acima (Como a União Soviética influenciou o surgimento e a expansão do radicalismo islâmico) exige um artigo que aponte a relação entre a velha União soviética e a formação do terrorismo islâmico atual. Mas, como se diria vulgarmente, “só que não…”.

Em primeiro lugar, há repetidas sugestões inconclusas no texto. Vejamos:

Alguns autores argumentam que essa prática religiosa não oficial, somada à rigidez do governo, levou à radicalização dos muçulmanos soviéticos. No entanto, há dúvidas sobre esse ponto. [negrito meu]

“Se você soma todos os países pós-soviéticos, você verá que eles enviaram o segundo maior número de militantes para o EI (o autodenominado grupo Estado Islâmico) depois da Tunísia. No entanto, acho que há particularidades desse fenômeno que são contraditórias com o período soviético“, diz o professor Nunan. [negrito meu]

Ao que parece, em várias oportunidades nas quais serão evidenciadas as relações entre a velha URSS e a formação do terrorismo islâmico, há controvérsias…

Além disso, cereja do bolo, a visão passada pelo autor da guerra civil no Afeganistão nos anos 1980. Segundo o autor, a reação dos nativos afegãos contra a ocupação soviética “fomentou” o fundamentalismo islâmico. Mas como isso ocorreu? Desde o nada?

É sabido do apoio americano e saudita aos rebeldes afegãos contra o governo comunista deste país nos anos 1980. O próprio texto cita isso e nem precisava. Afinal, o mundo ficou sabendo através do patético Rambo III do apoio americano aos insurgentes. Vale lembrar que o filme termina com uma dedicatória ao “valente povo afegão”, o mesmo que a imprensa americana chamaria de louco incivilizado Talibã nos anos 1990.

O apoio dos EUA e da Arábia Saudita na formação de madrasas (escolas confessionais do islã, uma instituição antiquíssima) no Paquistão foi fundamental para constituição de uma ideologia anti-soviética (fundamentalismo sunita) além de viabilizar o fornecimento a essas pessoas de treinamento, de recursos financeiros, logísticos e militares. É mais que sabido que o Talibã anti-americano dos anos 1990 foi mais um blowback da política externa dos Estados Unidos: interferir em uma área conflituosa para obter resultados que se mostram adversos com o tempo.

Em resumo, é fácil chutar cachorro morto. Quem “defenderia” a URSS hoje se até Putin tem desavenças com o Partido Comunista da Rússia? Além disso, é melhor para a geopolítica americana (e britânica, sua assecla europeia) que haja outros responsáveis pela difusão do fundamentalismo islâmico. Entretanto, e pensando de forma muita prática e imediatista, os vestibulandos não podem se dar ao luxo de análises históricas enviesadas por necessidades geopolíticas contemporâneas em ano de aniversário de um século de Revolução Russa. Ao menos para quem vai prestar vestibular, não é hora de erros grosseiros como este.

Abraços a todos e boa sorte!

Em tempo: Carniça atrai urubu: Em uma rápida pesquisa no Google antes de postar o texto já vi que UOL e G1 republicaram o texto da BBC. Os macacos de imitação brasileiros não podiam ficar de fora dessa…

algo sobre o vestibular… UFPR

Olá!

Resultado de imagem para ufpr

Apenas elogios para a prova de Geografia da UFPR. Vestibular com avaliação em duas fases com prova de conhecimentos gerais envolvendo questões de Geografia de múltipla escolha e prova de conhecimentos específicos com questões dissertativas. Segue um relatório das provas deste vestibular:

relatorio UFPR

Para quem se interessar, o edital da vestibular 2018: edital 2018

Para se aclimatar à prova, seguem mais quatro arquivos com as provas de conhecimentos gerais e conhecimentos específicos (geografia) dos dois últimos anos.

CE 07122015

CG 08112015

CE 26112016

CG 23102016

Espero que isso possa ajudar!

Abraços e boa sorte a todos!

Vai levando

Olá!

A Justiça Federal do Distrito Federal decidiu, liminar e parcialmente, a favor de Rozângela Alves Justino (segue a Ata da decisão no pdf abaixo) acerca da prestação de tratamento com apoio psicológico para pessoas que querem abdicar do homoerotismo em favor do heteroerotismo.

A questão tornou-se especialmente polêmica após o Conselho Federal de Psicologia ter baixado resolução (segue a Resolução no pdf abaixo) que veta este procedimento junto aos psicólogos brasileiros, Resolução em alinhamento com a posição da Organização Mundial da Saúde.

A decisão do juiz Waldemar Cláudio de Carvalho diz basear-se na melhor hermenêutica jurídica. Para se formar opinião, vale uma breve leitura acerca de hermenêutica jurídica no texto introdutório de Chiara Michelle Ramos Moura da Silva: Noções Introdutórias de Hermenêutica Jurídica Clássica.

Na sequência, uma apresentação acerca de Rozângela A. Justino, fundamental para se chegar a conclusão da adequação (ou não!) da decisão judicial. Para tanto (e acompanhando um tendência da justiça brasileira de obter informações na imprensa), segue um artigo do jornal Folha de São Paulo com depoimentos de Rozângela A. Justino e de outros psicólogos: Psicóloga que diz “curar” gay vai a julgamento em conselho.

Ainda para formar opinião acerca do parecer no Conselho Federal de Psicologia vetando a chamada vulgarmente “cura gay”, segue um vídeo com depoimento da própria Rozângela A. Justino.

Finalmente, seguem abaixo os arquivos pdf com o parecer do Conselho Federal de Psicologia sobre a dita reorientação sexual e a decisão do Juiz Carvalho:

Resolução CFP 01-1999

Ata de Audiência

Ao final, para relaxar (?!), “Vamos Levando”…

Abraços e boa sorte a todos!

Mais uma vítima da miopia atual: pensamento crítico ambientalista

Olá!

Já encontramos várias vítimas de um tempo cego. Já sofreram ataques “A Origem das Espécies”, “O Capital”, “A Teoria Geral”, entre outros que foram objeto de linchamento pela turba neoconservadora. Alguns morreram, outros estão convalescentes e alguns ainda estão naquilo que nunca deveria ter sido uma luta.

Afinal, vive-se um tempo no qual pensar por si vem acompanhado por um xingamento: COMUNISTA! Assim, pensar cientificamente a diversidade e evolução das espécies é ser comunista; pensar a organização sociedade-Estado com vistas ao Bem-Estar Social é ser comunista; e, é claro, ser comunista é ser… comunista!

Infelizmente o pensamento neoconservador brasileiro tem se apropriado do ambientalismo, especialmente a polêmica criada (falseadora) entre “aquecimentistas” e “céticos”. Pensar o processo de interferência da sociedade sobre o clima está se tornando coisa de comunista.

Não penso “ciência” de modo purista ou como algo que produz verdades imunes às polêmicas. Isso é inerente ao dogma, não à ciência. Além disso, “ciência” é feita por homens em sociedade e todas as características e contradições sociais acabam embutidas na produção científica: financiamento por institutos de pesquisa, interesses de corporações, tendência pessoais (políticas, ideológicas, religiosas) do pesquisador. Há, entretanto, alguns limites a partir dos quais se evidencia instrumentalização da suposta produção de ciência que, na verdade, está mais para promoção pessoal ou de necessidades políticas. É o que vem acontecendo com a ideia de “aquecimento global antropogênico”.

Há, é claro, muito exagero acerca do tema: desde o hollywoodiano “o dia depois de amanhã” até artigos (jornalísticos, de divulgação científica ou especializados) que inflacionam o tema. Há exageros e pirotecnia em conferências entre países (que se mostram muito aquém das necessidades). Mas quando os ditos “céticos” acerca do aquecimento global antropogênico no Brasil são convidados a discursar em meios de imprensa ligados ao agronegócio ou em blogs de notícias de caráter neoconservador, daí temos um problema.

Nesse contexto (e para aprofundar o tema) segue um artigo do site Direto da Ciência sobre a polêmica entre o divulgador de ciência Pirula e o intitulado “cético” Ricardo Augusto Felício. Não subo mais vídeos ou artigos pois o artigo do site Direto da Ciência é farto nestas citações.

Para o artigo, clique no link ao lado: Negacionismo do clima e também do desenvolvimento sustentável

Ao final do post, não resisto à já clássica entrevista de Felício no velho Programa do Jô. Diz o professor “cético” da USP que a “chuva é que causa a floresta e não a floresta que causa a chuva”. Está “correto”, mas é um pensamento simplista que desconsidera uma infinidade de variáveis que interagem na produção do clima e do ecossistema A cereja o bolo, entretanto, está no final. Diz o professor “cético” que “se você cortar toda a floresta amazônica, 20 anos depois está tudo lá de volta porque continua chovendo”. É de uma irresponsabilidade sem tamanho afirmar isso e não pensar na eliminação dos espécimes, da possibilidade (efetividade) de eliminação de espécies, na afronta ao modo de vida das populações indígenas e de outros Povos da Floresta. Segue a entrevista abaixo com a passagem acima por volta dos 18 minutos de entrevista.

Abraços a todos e boa sorte!

OCX: permanência das alternativas para um mundo multipolar.

Olá!

A fluidez do cenário atual ocorre em vários níveis. Aquilo que alguns chamam de pós-modernidade tem na velocidade e na obsolescência duas de suas caraterísticas essenciais. As formas de entendimento da realidade ficam velhas quando foram feitas na semana passada. No entendimento da organização política mundial isso não é diferente.

O mundo viveu mais de quatro décadas da chamada Guerra Fria. Claro que houve peculiaridades ao longo da segunda metade do século XX, evidentes nas diversas formas que os historiadores usam para periodizar esse tempo. Mas houve elementos comuns que dão margem ao óbvio, qual seja, nossa capacidade de denominar esse conjunto de fenômenos como “Guerra Fria”: bipolaridade entre EUA e URSS; dois sistemas econômico-político-ideológicos de organização da sociedade; corrida armamentista; propaganda política. O mundo de hoje, da velocidade dos processos, é difícil de ser denominado para além de “pós-Guerra Fria”.

Os anos 1990, com o fim da URSS, foram marcados por uma espécie de ensaio dos EUA na utilização do seus diferenciais econômico e militar para se colocarem como potência mundial unipolar. A Doutrina Bush de 2001 era a sistematização dessas iniciativas. A Crise Americana, a Crise Europeia, a contestação aos EUA por países como Irã e Coreia do Norte, os fracassos americanos no Iraque e no Afeganistão evidenciaram a incapacidade dos EUA organizarem o mundo como potência única.

No final dos anos 2000 a multipolaridade parecia ser a tendência mais forte. Afinal, o G20 ganhou importância frente ao velho G7 (ou G7+1 na época); o Brasil quitou sua dívida com o FMI que veio pedir mais recursos aos países “emergentes”; MERCOSUL, UNASUL, IBAS, APAS, ASA; e BRICS, com o acréscimo da República da África do Sul, com o Novo Banco de Desenvolvimento, com o Arranjo de Reservas. Mas quando a marca de um tempo é a mudança, nada é certo.

Em meados da década de 2010 houve perceptível redução do crescimento das economias da China e da Índia; a Rússia teve, além de redução do crescimento econômico, problemas internacionais, especialmente na Ucrânia; a Argentina, como boa parte da América Latina teve uma guinada econômica ortodoxa, sujeição ao deus-mercado e capachismo (eterna síndrome de vira-lata) frente aos EUA; o Brasil dispensa comentários.  Assim, vários projetos ou organizações do mundo “pobre” para contestação de uma ordem historicamente injusta começaram a fracassar. Vitória dos países “ricos”, aqueles que sempre ganham. Mas “ainda estão rolando os dados”.

Se alguns países pobres se mostraram mais frágeis no processo de inserção autônoma no cenário mundial (Brasil, Argentina, México, Coreia do Sul), outros buscaram reorganizar suas agendas e prioridades com vistas a permanência de um projeto nacional autônomo. É o caso de Rússia, China, Turquia, Índia.

Uma sigla ilustra essa perspectiva e merece nossa atenção: OCX (Organização para Cooperação de Xangai). Trata-se de um clube de países envolvendo como membros até a atualidade China, Rússia, Índia, Paquistão, Cazaquistão, Quirguistão, Uzbequistão e Tajiquistão. Esses países reúnem um percentual significativo da população e do PIB do planeta, são dotados de recursos naturais essenciais (inclusive reservas de petróleo e gás natural), além de terem algumas das potências nucleares do planeta. A crescente cooperação e o acréscimo de novos países evidencia uma força respeitável para colocação dos seus problemas e demandas na agenda mundial. Finalmente, a forma de negociação externa desse bloco se orienta pelo Ganha-Ganha, diferente das recorrentes formas de imposição via exploração das potências do Norte sobre os países fracos do Sul.

Se BRICS, MERCOSUL e Brasil ficaram pela estrada, essas novas potências (ou nem tão novas para a Rússia) consertaram o carro na viagem, exigência de um tempo, e seguem para uma melhor colocação na política mundial.

Para ilustrar e aprofundar, algumas informações e textos:

Segue abaixo um infográfico antigo, de 2015, anterior ao ingresso pleno de países como a Índia e o Paquistão, mas que dão a dimensão desse clube:

O texto que segue é uma abrangente e didática explicação de Pepe Escobar sobre a OCX: Ocidente não sabe nem do cheiro do que a Eurásia está cozinhando.

Finalmente, esse último texto mostra a força da Organização tendo em vista um membro da OTAN e histórico pleiteante a membro da UE se dizer apto a ingressar como membro pleno da OCX: Se a UE não se decidir, Erdogan ameaça levar a Turquia para a Organização de Xangai.

Abraços a todos e boa sorte!

Chega de chavões

Olá!

O erro dos governos recentes – e por isso se desgastaram rapidamente – foi não ter exercido protagonismo na solução de saídas para o grave impasse que imobiliza e ameaça o país há 3 anos. Precisamos superar essa crise rapidamente em nome da esperança e do futuro. (Renan Calheiros)

Dizer-se de esquerda e começar um texto com uma citação de Renan Calheiros é instigante. Dizer que ele está certo é provocativo. Quase certo…

Os últimos “governos” não mostraram protagonismo para superar a crise. Mas que governos são esses e que crise é essa?

Claro que “governos” são os dois últimos e a “crise” se manifesta na economia, no emprego, na corrupção, no “denúncio-vazamentismo” que se estabeleceu recentemente. Mas não se solucionam essas “crises” sem se pensar em outra muito mais grave: para qual sociedade se está governando e quem está, de fato, no poder?

Dessa forma, últimos “governos” são os que se sucedem desde os anos 1990 sendo governos crescentemente alheios às necessidades populares mais candentes. São governos ligados ao grande capital doméstico e internacional, são governos da elite rentista, são governos que assumiram viés dirigista – donos da verdade que são – frente a uma sociedade vista como ignorante, dotada de quase-cidadãos que se contentam em receber benefícios (urgentes que sejam) ou promessas de futuro.

Em FHC houve o início de um modelo neoliberal que privilegiou rentistas aqui e no exterior, que avançou com uma falácia de privatizações que aumentou o custo para as famílias (principalmente de classe média) na medida em que dilapidava os serviços básicos públicos exigindo aquisição de serviços privatizados ou concedidos: educação, saúde, transporte.

Em Lula e Dilma um grande avanço se estabeleceu. “Pela primeira vez na história deste país” as classes baixas foram incluídas em um mercado consumidor por medidas diversas de distribuição de renda: bolsa-família; minha casa minha vida, aumento real do salário mínimo, aumento da empregabilidade em empregos formais (Lula). Mas, para além da inclusão via renda e consumo (dinheiro, bens e serviços), o que mais se fez? “Bebida é água e comida é pasto”, dinheiro, bens e serviços são todas as coisas que um cidadão, que uma pessoa pode querer?

Faltou mais uma coisa que não se vê há tempos, que não se manifestou no Brasil ao longo da Nova República: pensar a sociedade, o que ela é e como é possível desenrolar um novo modelo político que se adeque de fato aos atuais anseios sociais. Sobrou, entretanto, preguiça mental e covardia na tentativa de reeditar o já carcomido neoliberalismo com uma falsa roupagem social. O problema é que não funcionou. Não funcionou aqui e lá.

Se no Brasil assistimos à sucessão de escândalos e ameaças a estabilidade política, não é diferente na Argentina (Kirchner-Macri), no(s) golpe(s) no Paraguai, na instabilidade na Venezuela, na corrupção endêmica e cumplicidade com o crime organizado no México, na eleição do apresentador de tv xenófobo nos EUA, no plebiscito xenófobo BREXIT no Reino Unido, na quase eleição do partido de extrema-deireita na França, na permanência do governo de traços homofóbicos na Rússia, na queda do governo promíscuo com o capital na Coreia do Sul (substituído por outro do establishment).

Ideologia. A velha palavra que foi tirada de moda é resposta para esses anseios. Por “ideologia”, em um sentido pré-marxiano, entendo uma forma sistemática de compreensão da sociedade, pautada por vieses humanistas de solidariedade e sustentabilidade (ambiental, econômica, social, cultural). A fórmula ainda é desconhecida, mas o caminho já está dado: Direitos Fundamentais (para além dos de Primeira Geração); humanismo marxiano; intervencionismo de Estado na economia e nos serviços sociais; entendimento freireano do “outro”; democracia de fato que traduza (além do mero ato de votar) a participação efetiva da sociedade nas decisões de governo, que traduza o protagonismo da sociedade; o elogio ao coletivo (contra as patéticas afirmações individualistas atuais desde a economia competitiva até o “voto em pessoas e não em partidos”); práticas econômicas solidárias-sinérgicas e não individuais-competitivas.

Já passou do tempo de se pensar uma Nova Política para além de chavões de campanhas eleitorais.

Abraços a todos e boa sorte!

Eleições na França 2

Olá!

Como um homem de 39 anos em partido recém-criado que nunca disputara eleição conquistou a Presidência da França? (Foto: AP Photo/Christophe Ena)

Terminou o segundo turno na França e, como as pesquisas apontavam, Macron sagrou-se vencedor, eleito presidente do país. Restam algumas considerações.

Rodolfo fez importantes colocações acerca do final do processo eleitoral e das dificuldades a serem enfrentadas pelo eleito, Macron.

Acompanhando a colocação do professor Rodolfo, Macron tem alguns problemas pela frente. Em primeiro lugar, validar o nome do Primeiro Ministro junto aos parlamentares. Isso pode ser difícil pois a eleição de Macron pode ser lida, em grande parte, como um voto anti-Le Pen. Os partidos de esquerda que não declararam voto no segundo turno ou que apoiaram Macron (ou se colocaram conta Le Pen) podem não compor com o presidente neste início de mandato.

Além disso – e quase favas contadas – a derrota de Le Pen não significa o fim político do clã ou, o que é mais importante, do seu discurso político. Ao longo dos últimos anos na França (Reino Unido; Europa em geral; EUA; Brasil; América Latina em geral) há uma guinada para a direita pautada por ideais como:

  • nacionalismo xenófobo;
  • valores tradicionais (incluindo religiosos);
  • entendimento do “outro” político como inimigo e não como adversário;
  • discurso político que nega a política;
  • domínio da forma (marketing de campanha, capacidade discursiva) sobre o conteúdo (partido político, coerência ideológica, plataformas políticas diversas como econômica, social, externa).

O fracasso do modelo neoliberal tornou a sociedade pobre no entendimento de si e no apontamento de alterações políticas sustentáveis. Como profetizou o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, os embates políticos estão dados entre a direita e a extrema direita.

Artigo do da DW trabalha esses assuntos da política francesa. Para ler, clique no link abaixo:

Apesar da derrota, Frente Nacional mostra força

Abraço e boa sorte a todos!