tem gente que não aprende…

Comercial da UE é acusado de promover xenofobia

Usuários de redes sociais entendem o vídeo como uma ofensa ao países emergentes; na propaganda, União Europeia é ‘Kill Bill’ e Brics, lutadores de artes marciais

Engraçado como, no final do vídeo, a diversidade desaparece dentro do bloco sobrando apenas “Europa”

No final do século XIX, Rudyard Kpling escreveu o poema “Fardo do Homem Branco” acerca do que nós viríamos a chamar de Imperialismo europeu na África e Ásia.

“O Fardo do Homem Branco”
Rudyard Kpling

Tomai o fardo do Homem Branco –
Envia teus melhores filhos
Vão, condenem seus filhos ao exílio
Para servirem aos seus cativos;
Para esperar, com arreios
Com agitadores e selváticos
Seus cativos, servos obstinados,
Metade demônio, metade criança.

Tomai o fardo do Homem Branco –
Continua pacientemente
Encubra-se o terror ameaçador
E veja o espetáculo do orgulho;
Pela fala suave e simples
Explicando centenas de vezes
Procura o lucro de outro
E outro ganho do trabalho.

Tomai o fardo do Homem Branco –
As guerras selvagens pela paz –
Encha a boca dos Famintos,
E proclama, das doenças, o cessar;
E quando seu objetivo estiver perto
(O fim que todos procuram)
Olha a indolência e loucura pagã
Levando sua esperança ao chão.

Tomai o fardo do Homem Branco –
Tem a mão-de-ferro dos reis,
Mas, sim, servir e limpar –
A história dos comuns.
As portas que não deves entrar
As estradas que não deves passar
Vá, construa-as com a sua vida
E marque-as com a sua morte.

Tomai o fardo do homem branco –
E colha sua antiga recompensa –
A culpa de que farias melhor
O ódio daqueles que você guarda
O grito dos reféns que você ouve
(Ah, devagar!) em direção à luz:
“Porque nos trouxeste da servidão
Nossa amada noite no Egito?”

Tomai o fardo do homem branco –
Vós, não tenteis impedir –
Não clamem alto pela Liberdade
Para esconderem sua fadiga
Porque tudo que desejem ou sussurrem,
Porque serão levados ou farão,
Os povos silenciosos e calados
Seu Deus e tu, medirão.

Tomai o fardo do Homem Branco!
Acabaram-se seus dias de criança
O louro suave e ofertado
O louvor fácil e glorioso
Venha agora, procura sua virilidade
Através de todos os anos ingratos,
Frios, afiados com a sabedoria amada
O julgamento de sua nobreza.

A Europa atravessou todo o século XX e parece teimar em não aprender…

Reportagem completa do Estadão em http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,comercial-da-ue-e-acusado-de-promover-xenofobia,105540,0.htm

Abraços a todos!