Não vos enganeis. As más companhias corrompem os bons costumes

Olá!

Para os desavisados, o título do post é uma passagem da Bíblia: Coríntios.

Seria verdadeiro o relato de Horacio Verbitsky sobre a relação do Cardeal argentino, hoje Papa Francisco, com a ditadura daquele país?

O Cardeal Bergoglio já avisou que ele “não tinha o que fazer” naquela situação. Já o porta-voz do Vaticano disse que se trata de uma calúnia veiculada por um anti-clerical. Que seja… Mas…

papa1

A foto (14-03-2013) mostra um grupo acusado de crimes durante a ditadura argentina em depoimento em um tribunal de Córdoba. No destaque, fitas nas cores amarelo e branco em homenagem ao Vaticano e ao novo Papa Francisco.

O Papa pode dizer que não tem nada a ver com essas pessoas. Mas esses potenciais criminosos gostam bastante dele…

Em tempo, fique claro: Não é porque um genocida é seu amigo ou te admira que você se torna, por isso, um criminoso também!

Artigo completo da Opera Mundi pode ser lido clicando no título abaixo:

Acusados de crimes na ditadura argentina homenageiam novo papa em julgamento

Uma última observação: Eu não tenho qualquer amigo criminoso. Se algum torturador pensar em ter admiração por mim saiba que não haverá reciprocidade, apenas meu desprezo público. 

Abraços a todos!