imprensa engajada ou propaganda política?

Olá!

Rodney Benson analisou a evolução e os problemas da imprensa dos EUA que, desde os anos 1980, “assume posições políticas”. Até aí, nada de mais… O problema é que a forma de cobertura efetivada por essa imprensa vai além do mero engajamento se caracterizando como recurso de propaganda e desinformação.

Na arte da difamação sistemática, os meios de comunicação militantes fazem o papel de vanguarda. Sua atitude não consiste em metamorfosear moderados em extremistas, mas em tornar estes últimos “mais extremistas ainda”, persuadindo-os da validade de suas crenças. Esses consumidores fiéis e altamente receptivos – tratados com carinho pela classe política – vão citar em seguida suas fontes favoritas nas redes sociais. Eles permitirão assim que certas ideias se espalhem no seio de uma população mais ampla, contribuindo para definir a atualidade política e para mobilizar os eleitores.

No Brasil há processos semelhantes em andamento. Nas eleições de 1989 essas tendências eram embrionárias: o caso das camisetas da campanha do PT colocadas nos sequestradores de Abílio Diniz e a manipulação assumida do último debate apresentada no Jornal Nacional.

 

Nas últimas décadas essa forma de cobertura de imprensa se intensificou transformando parte significativa dos debates da última eleição presidencial em uma disputa para descobrir quem era favorável ao aborto e quem era o melhor representante de Deus.

dilma igreja Serra participou nesta terça-feira de missa solene em Aparecida (SP)

Leia o artigo de Benson clicando no link ao lado: Delírios militantes na imprensa dos Estados Unidos

Acesso à informação de qualidade produzida com base na pluralidade social é fator fundamental para formação e manutenção da Democracia.

Boa sorte a todos!