lá e cá, cuidados com a imprensa

Olá!

Na aula inicial, em todas as turmas, comentei sobre as formas de cobertura jornalística apresentadas na chamada “grande mídia”, seus vícios e os cuidados que o leitor-ouvinte-telespectador precisa ter.

Acompanhando minha crítica, seguem abaixo dois links:

Telegraph

Por que eu me demiti do Telegraph

O jornalista destaca como o diário britânico se transformou em um meio seletivo de ataque aos adversários políticos e de blindagem dos aliados mediante uma crescente submissão do Telegraph a grandes grupos econômicos. Reproduzindo um trecho do artigo

[como disse um ex-executivo do Telegraph sobre o banco HSBC], é “o anunciante que você literalmente não pode bancar ofender”

Além do artigo que trata da imprensa internacional, o jornalista brasileiro Luis Nassif escreveu sobre mesmo tema em seu blog. Nassif destaca a seletividade dos maiores meios de imprensa do Brasil e sua sujeição às grandes empresas financiadoras.

A estratégia de Dilma para a guerra da comunicação: “virem-se”

Estadão

Boa sorte e todos!

Fundamentalismo islâmico na África – Boko Haram (parte 2)

Olá!

obama

Segue a segunda parte do artigo da revista Fórum sobre o Boko Haram. Destaque para uma passagem do artigo:

(…) o ministro da indústrias francês Arnaud Montebourg afirmou que “os países da África francófona gostariam mais de trabalhar conosco [França] do que com empresas estrangeiras”

A passagem demonstra a permanência do ideal europeu (francês) de controle sobre partes da África submetidas ao domínio direto no século XIX. Afinal, quem é e deixa de ser “estrangeiro” para os países de língua francesa da África?

Segue o artigo no link abaixo:

Desenvendando o mistério do Boko Haram – Parte 2

Boa sorte a todos!