A circulação do capital

Olá!

banco1

Tempos de agudização da crise econômica no Brasil. Medidas adotadas pelo governo federal são lidas com otimismo por setores da imprensa. Para quem tem um mínimo de discernimento em economia e em história não há lugar para otimismo, talvez, nem mesmo para esperança.

As medidas econômicas seguem um receituário ortodoxo de “austeridade” traduzido em redução dos “gastos” de governo. Entre inúmeros problemas, o entendimento do investimento como “gasto” cria um primeiro entrave para superação da crise. Essa leitura errada da economia nacional (redução de gastos como sinônimo de investimento) é embasada na tosca analogia com a economia doméstica: gastar o que se arrecada. Mas a economia nacional é “um pouco” mais complexa que as contas do lar.

Uma lição em história da economia ensinada há mais de 80 anos demonstra que, em cenário de crise econômica, o governo não pode abrir mão dos investimentos implementando as medidas ditas “anti-cíclicas”. Cortar investimentos públicos em cenário de crise capitalista é a morte.

Se Roosevelt entendeu bem essa lição nos Estados Unidos nos anos 1930, a Grécia, na contramão dos investimentos públicos, amarga meia década de redução da atividade econômica. As medidas de “austeridade” do governo brasileiro nos fazem ver a Grécia como destino econômico e social do país. Mas a crise não é insolúvel.

Com um excelente recurso didático, Fernando Nogueira da Costa, economista da UNICAMP, colocou em seu blog uma explicação sobre a circulação do dinheiro. Vale a pena ler e pensar sobre as medidas do atual governo federal.

Para ler, clique no link ao lado: Capital Circulante

 

Boa sorte a todos!